Nossa série de entrevistas com foco nos participantes da sociedade civil pernambucana na confecom traz o depoimento de Mariana Karilena, que integra o Coletivo de Jovens Feministas e o Conselho Estadual de Políticas para as Juventudes. A estudante do 8° período de Comunicação Social é delagada para a etapa Nacional da 1° Confecom, representando o segmento de juventude 

 

Ombuds  PE :  Qual é a sua expectativa para a I Confecom?

Mariana Karilena:  Espero que esta conferência, diferente de todas as
outras que já existiram, seja o mais ampla e democrática possivél, que de fato a Sociedade Civil Organizada consigar pautar suas demandas e que o Estado garanta que as propostas sejam encaminhadas com tranparência e comprometimento.
Parece um sonho, mas acredito que seja o almejo de boa parte das pessoas que contribuiram com o processo.
 

Ombuds  PE :  Quais são as principais propostas que a juventude está
 levando para a conferência?

Mariana Karilena: A juventude já vem se organizando há um bom tempo,
inclusive com uma carta  (carta das juventudes) produzida em um encontro com a
 juventude rural de Glória do Goitá, nela encontramos uma parte das principais propostas que as juventudes vem pautando. 

Entre as proposta estão:

– Criação de Centros Comunitários de Comunicação com a perspectiva de fornecer os aparatos técnicos e instrumentais permitindo que a sociedade e a juventude urbana e do meio rural construam, socializem e discutam suas próprias pautas e produções midiáticas;

– Fortalecimento das rádios comunitárias com a perspectiva da participação social e inserção das juventudes nesses espaços;

– Fortalecimento e criação de mecanismos de controle social e jurídico que impeçam a violação de direitos por parte da mídia, explicitando e fixando penas para os crimes cometidos.  Veja na íntegra a carta das juventudes

Ombuds PE:  Quais serão os principais desafios para a aprovação e execução dessas propostas?

Mariana Karilena: Como tantos outros processos de conferências, acredito que
um dos principais obstáculos seja a falta de compromisso político de alguns setores do Estado e arrogância do empresariado da comunicação, pois um sistema que por mais de 40 anos ainda está na mãos de poucas pessoas,  será de fato um grande desafio acompanhar e monitorar essas propostas. Estou esparançosa e entusiasmada para participar da estapa Nacional e acompanhar esse momento histórico, que eu enquanto estudante de jornalismo nunca tinha experimentado antes.

O OmbudsPE é um projeto de comunicação do Centro de Cultura Luiz Freire. É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que a fonte seja citada e esta nota seja incluída.

Realização:

Apoio: