Notícias


Sindicato dos Jornalistas reforça a necessidade do piso salarial em campanha trabalhista

Uma comunicação de qualidade só pode ser produzida em boas condições para quem trabalha no setor. Em Pernambuco, o mercado de trabalho para jornalistas é bastante desregulado em termos de respeito à classe trabalhadora, sendo um dos únicos estados onde não há piso salarial. Consequencia disso é o fato de algumas empresas, tais como o portal LeiaJá,  pagarem salários tão baixos como R$ 800 para jornalistas. Na Folha de Pernambuco,  o salário inicial é de R$ 1000. O piso mínimo de  2.283,45 reais é a principal pauta da campanha salarial de 2014 do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Pernambuco (SinjoPE).

Ao todo, a lista de reivindicações da categoria tem 27 pontos. Algumas das demandas que aparecem no documento são auxílio-creche, o pagamento regularizado de horas-extras, ticket alimentação adequado, plano de carreira, entre outras. Tais medidas, se adotadas, impediriam violações dos direitos dos jornalistas e acabariam com algumas aberrações. Na Folha de Pernambuco, onde não há vale-alimentação,  funcionários e funcionárias chegam a gastar até 30% do seu salário apenas com refeições. A presidenta do SinjoPE, Claudia Eloi, reforça que o piso não deve ser visto como teto salarial, “como aconteceu em Alagoas, onde jornalistas recebem dois mil e poucos reais e não conseguem passar disso”, explica.

Uma curiosidade: via de regra, as reivindicações da classe não têm espaço nos veículos de comunicação onde trabalham. Assim, para chamar a atenção para esta pauta corriqueiramente censurada, integrantes da diretoria do sindicato têm tentado estratégias alternativas de divulgação. “Num primeiro momento, nós fomos para os sinais de trânsito com faixas denunciando a falta de um piso salarial. A população precisa saber que jornalistas de Pernambuco não têm sequer isso. Após isso, lançamos a campanha pela internet. Tudo para driblar o bloqueio da mídia tradicional”, afirmou Cláudia. A página “Campanha Piso Salarial dos Jornalistas PE” publica diariamente reivindicações da categoria. A criação da iniciativa foi realizada em parceria com a agência experimental Inata, da AESO – Barros Melo.

Nos próximos dias, o SinjoPE pretende se aliar aos sindicato dos Gráficos e o dos Radialistas para fortalecer suas pautas frente aos donos de empresas de comunicação. No próximo dia nove de setembro haverá a primeira audiência para discutir a campanha do SinjoPE. O encontro acontecerá às 14h30 na Superintendência Regional do Trabalho, antigo DRT. No dia seguinte,  os sindicatos parceiros se reúnem para definir ações coletivas . “Neste momento vamos discutir que estratégias iremos adotar, se vamos para as empresas, se faremos passeatas ou outro tipo de atividade”, explica Claudia Eloi.