Notícias


Estudantes de jornalismo da UFPE repudiam preconceito de gênero de colunista da FolhaPE

Nota machista de Robson Sampaio publicada na Folha de Pernambuco no dia 07/04/15

Nota machista de Robson Sampaio publicada na Folha de Pernambuco no dia 07/04/15

Na terça-feira (7), o colunista Robson Sampaio, da Folha de Pernambuco, achou razoável publicar em sua coluna de opinião “Folha da Cidade” uma nota em que repudiava um programa televisivo que supostamente estaria estimulando a efeminação de meninos e que estaria colaborando com o fim dos “homens de antigamente”. A nota, preconceituosa, utilizava uma forma de discurso de ódio que dá aval à homofobia e à transfobia. Em resposta, estudantes do curso de jornalismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) publicaram no facebook a seguinte nota:

“Nós, estudantes de Jornalismo da UFPE, viemos através desta nota repudiar as afirmações machistas, homofóbicas e transfóbicas ditas pelo colunista Robson Sampaio, do jornal Folha de Pernambuco, em sua coluna Folha da Cidade de hoje, 7 de abril. Nela, uma nota chamada “Bambolê?” dizia: “No programa ‘besteirol’ Encontro, de Fátima Bernardes, na TV Globo, ontem, meninos brincavam de bambolê, uma brincadeira típica de meninas. Realmente, já não se faz homem como antigamente. É mesmo o cúmulo.”

Acreditamos termos responsabilidade no respeito às identidades sexuais e de gênero dissidentes da normatividade, bem como estamos convictos de que está longe de ser papel da imprensa o estímulo à violência – simbólica ou de qualquer outra forma – contra a mulher. Em sua nota, o jornalista reafirma a noção machista de repúdio ao homem que se aproxima dos esterótipos de gênero tradicionalmente impostos às mulheres, além de exaltar os modelos mais conservadores do “homem de antigamente”.

E não se trata da primeira vez. Em 15/07/2013, na mesma Folha da Cidade, o colunista assinava a nota “Com H maiúsculo” que dizia “Hoje é o Dia do Homem e faço parte desse time, cada vez mais desfalcado. Homem, que é homem com H maiúsculo, não se depila e nem usa calças vermelha ou rosa. E gosta de mulher, a obra-prima de Deus. Então, um viva aos Homens!”.

O estereótipo de gênero e os xingamentos homofóbicos “disfarçados” de tom “humorístico” típico da coluna mais uma vez reforçam a violência simbólica acima mencionada e fortalecem o preconceito, principalmente contra mulheres, homossexuais e pessoas trans. Nós repudiamos a linguagem e as ideias publicadas pelo colunista. E, entendendo que esta nota violenta uma série de outrxs leitorxs, pedimos uma retratação direta da Folha de Pernambuco pela veiculação da mesma”.

Em seu perfil no Facebook, o jornal – que recebeu diversas outras manifestações contrárias à homofobia demonstrada pelo colunista, posicionou-se, mas não afirmou tomar medidas que impeçam que o fato se repita:

“A Folha de Pernambuco vem a público reafirmar seu respeito à diversidade de gênero e direito de escolha. Embora defenda a liberdade de imprensa, este jornal não compartilha da opinião do colunista Robson Sampaio, expressa em sua coluna Folha da Cidade na edição desta terça. Em nota, ele afirma ser o bambolê ‘brincadeira típica de meninas’. Por várias vezes o jornal já se posicionou, por meio de seus editoriais, contra qualquer tipo de preconceito.”