Notícias


Agência pública de notícias “Acontece” é lançada em Jaboatão dos Guararapes

fotoagenciajaboatao

Foto: Marcelo Ferreira/Prefeitura de Jaboatão

Por Victória Ayres*

A Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes lançou nesta terça-feira (3) a primeira agência pública de notícias de Pernambuco. Batizada de “Acontece”, a proposta é servir de portal de informações para que a população do município tenha acesso aos fatos que lhe interessem, com transparência. Embora a agência, que já está no ar no endereço http://acontece.jaboatao.pe.gov.br, tenha na sua curadoria de conteúdo apenas três jornalistas que fazem parte da Secretaria de Comunicação, o secretário da pasta, Jorge Gomes, garante que a sociedade civil poderá participar enviando matérias, sugestões, vídeos e que, além disso, será aberto no futuro concurso para que outras pessoas possam integrar a equipe.

“A partir do final de março, a sociedade civil participará do conselho municipal de comunicação e será decidido de que forma a agência estará aberta à produção não estatal. No momento, ela ainda está se consolidando. Quando virmos que ela está caminhando adequadamente, abriremos os concursos”, explica Jorge. Para o jaboatonense, é bom prestar atenção às notícias que estarão disponíveis no portal durante esse primeiro período de funcionamento, até para depois poder participar mais tarde, enviando suas próprias pautas, cobrando do poder público uma mudança de pautas ou mesmo criticando a curadoria do site. O secretário garante que não haverá censura na seleção de conteúdo.

Para Lissandro Nascimento, da Associação de Blogueiros de Pernambuco, “Acontece” é uma boa iniciativa de transparência e de desejo de interagir com a população, “nós ,da blogosfera, já somos produtores de conteúdo. Enxergo nessa agência uma oportunidade de levar as pautas da sociedade civil ao poder público”, diz ele. O jornalista Ricardo Mello, consultor em comunicação, ressalta a importância de não deixar que um instrumento de comunicação pública não se transforme em comunicação governamental, “a comunicação pública não pode ser uma coisa de mão única, algo que não fomente o debate e esqueça das pautas que são de interesse público. É importante que o governo exponha suas ações de forma transparente por esses veículos, mas eles não podem se limitar a isso, é preciso ouvir a sociedade e suas pautas com atenção, ela deve ser ao mesmo tempo fonte e interlocutora da comunicação pública. Na medida em que a comunicação seja vista como um serviço, um direito e não um favor, aí é possível ter uma comunicação pública de qualidade, que vai além do mero transmitir”, diz ele.