Participação do público deu maior dinamismo à discussão

É interessante quando a lógica formal de um seminário é quebrada. Para o público, mais pertinente do que apenas sentar, ouvir e posteriormente dirigir-se a uma bancada de doutos para “tirar dúvidas”, é assumir o protagonismo enquanto agente comunicativo. Foi dessa maneira horizontal que se desenrolou o debate sobre mídias alternativas na Universidade Católica de Pernambuco, atividade prévia do I Encontro Nacional do Direito à Comunicação – ENDC, que será realizado nos dias 09, 10 e 11 de fevereiro de 2012.

Após uma exposição do professor da Unicap, Vlaudimir Salvador, a respeito do projeto radiofônico Vozes da África, realizado com alunos da própria universidade, o jornalista e membro do Centro de Cultura Luiz Freire, Ivan Moraes Filho lançou uma provocação aos integrantes da mesa: ao invés de tomarem a maior parte do tempo do evento, que fossem todos breves; que ao invés das tradicionais explanações, apenas pinçassem pontos interessantes das suas experiências com comunicação popular – já que o termo “alternativo” foi questionado na ocasião, sob o argumento de ser vago e de não abarcar devidamente as demandas dos setores que disputam construir espaços (contra) hegemônicos no campo da comunicação –, para que estes servissem de mote para a discussão posterior.

Assim, Tarcísio Camêlo comentou da experiência de cinco anos na Rádio Alto Falante e da gestação do projeto, já em vias de execução, de uma TV comunitário para o Alto José do Pinho; Andrea Trigueiro falou sobre as demandas por democratização, do Sinjope, da experiência docente; Raquel Lasalvia expôs o trabalho de comunicação desenvolvido no Coque Vive; e Adriano Lima, convidado a subir à mesa, tratou de cineclubismo popular e produções audiovisuais independentes. Um representante do coletivo Recife Resiste!, expôs também as propostas do núcleo de comunicação livre do grupo.

O que se seguiu foi a tomada para si, por parte do público, da condução do debate sobre as questões colocadas. Essa dinâmica instaurada enriqueceu a discussão e propiciou um fértil intercâmbio entre pessoas interessadas em tratar de questões ligadas ao direito à comunicação (comunitária, livre, popular, alternativa ou qualquer outra denominação pertinente). Este, em última instância, é o objetivo do ENDC: aproximar sujeitos e fortalecer a luta pela democratização das mídias no Brasil.

O OmbudsPE é um projeto de comunicação do Centro de Cultura Luiz Freire. É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que a fonte seja citada e esta nota seja incluída.

Realização:

Apoio: