Mídia Independente e Negra como ferramenta de comunicação e resistência

Por Mariana Reis¹ Mas... como assim, comunicação de pretas e pretos? É possível se usar esse terminologia, já não bastasse a segmentação conceitual mídia independente, mídia livre, mídia alternativa, mídia comunitária, entre outras? Sim, é preciso se falar de mídia...


O Carnaval e a linha editorial do jornalismo-onanismo

O Carnaval e a linha editorial do jornalismo-onanismo

Por: Carol Almeida* Balança o saco, balança o saco, balança o saco porque está aberta mais uma temporada do jornalismo-punheta-brasil. É chegado o Carnaval e, com ele, o tradicional desfile machista dos portais de notícia, das piadas ~inocentes~ nas transmissões ao...

ler mais
Mostra Canavial: Cinema e Direitos Humanos, Memória e Camarazal

Mostra Canavial: Cinema e Direitos Humanos, Memória e Camarazal

Desde o último dia 5, o povo dos municípios da Zona da Mata Norte pernambucana tem ido às praças das cidades e lugares comuns dos povoados para observar o mundo, o próprio e o de todxs. Este é o cenário proporcionado pela Mostra Canavial de Cinema em Goiana, Condado,...

ler mais
O lugar da censura

O lugar da censura

Por Ivan Moraes Filho* Foi realmente com alegria que eu recebi, no dia 22 de agosto, um convite para participar de uma sabatina com o candidato do PSB ao governo de Pernambuco, Paulo Câmara. A conversa seria promovida pela Rádio JC News, duas semanas depois. Ao meu...

ler mais

Análises

O SBT rememora a ditadura militar em propaganda e chama atenção para um problema de negligenciamento da história do país

O SBT rememora a ditadura militar em propaganda e chama atenção para um problema de negligenciamento da história do país

No dia que a promulgação Constituição Federal completa 30 anos, datada em 6 de novembro, o SBT, do empresário Silvio Santos, lançou uma campanha publicitária com uma série de vinhetas que invocam a propaganda política da Ditadura Militar de 1964 a 1985. O slogan utilizado, “Brasil, ame-o ou deixe-o”, surgiu durante o governo de Emílio Garrastazu Médici, entre 1969 e 1974, período conhecido como “Anos de Chumbo”, em que os governantes tinham o poder de punir arbitrariamente os que fossem opositores do regime ou considerados inimigo. Além da frase, “Eu te amo, Meu Brasil”, da dupla Dom e Ravel, era executada na tela com imagens do país.

ler mais

O OmbudsPE é um projeto de comunicação do Centro de Cultura Luiz Freire. É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que a fonte seja citada e esta nota seja incluída.

Realização:

Apoio: