pcrnosbairros_dp

No final de setembro, o Diario de Pernambuco publicou um caderno especial típico do chamado “Jornalismo Denorex”. Oito páginas de matérias produzidas pelo próprio jornal, sobre o projeto “Recife de Coração nos Bairros”. Em nenhuma havia assinatura da reportagem nem opinião alguma que pudesse significar um contraponto ou mesmo uma crítica construtiva ao programa da prefeitura do Recife que tem levado lazer e cultura a alguns bairros da cidade nos finais de semana.  Chama a atenção que o único anúncio de todo o caderno é da própria PCR: uma página dupla central sobre o mesmo projeto que é tema da publicação.

Para saber mais sobre o processo que deu origem ao produto enviado aos leitores como material jornalístico, o Centro de Cultura Luiz Freire enviou à prefeitura um questionamento formal baseado na Lei do Acesso à Informação. O pedido foi respondido dentro do prazo, negando que tenha pago “pela produção do caderno”, mas confirmando o pagamento de R$ 140.256,48 pelo único anúncio contido na publicação (O custo de um anúncio de página dupla, na tabela do Jornal Diário de Pernambuco é de R$ 210.912,00, porém, a Prefeitura do Recife tem um desconto de 33,5% na tabela de preços).

Embora não pegue bem para o jornal publicar um caderno notadamente publicitário com cara de reportagem, não há nenhuma ilegalidade em o poder público anunciar seus projetos na mídia comercial. Pelo princípio da publicidade e da transparência, inclusive, é dever da gestão informar à população sobre o que anda fazendo. Mas não custa saber quanto custam esses anúncios (que, num ano, costuma passar dos 10 milhões) num município que não conta com nenhuma política voltada à comunicação pública.

Só para efeito de comparação, os R$ 140 mil utilizados num único anúncio publicado num único dia num único jornal privado do Recife poderiam ser utilizados para patrocinar um programa de rádio independente semanal, sustentando uma equipe de duas ou três pessoas, no período de um ano. Não custa lembrar que a implementação da Frei Caneca FM, de caráter público, é promessa de campanha do atual prefeito Geraldo Júlio, que já encerra seu segundo ano de mandato sem notícias sobre quando irá tirar a emissora do papel.

Veja, na íntegra, a resposta da PCR ao pedido de informação do CCLF.

 

O OmbudsPE é um projeto de comunicação do Centro de Cultura Luiz Freire. É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que a fonte seja citada e esta nota seja incluída.

Realização:

Apoio: