Ação da Anatel durou cerca de uma hora e meia. O coletivo da rádio terá quinze dias para recorrer da ação.

Mais um lamentável episódio do cerco da Agência Nacional de Telecomunicações às rádios comunitárias. Dessa vez, o palco foi o bairro de Engenho Maranguape, em Paulista/PE. Na última terça-feira, agentes da Anatel, acompanhados por policiais militares, apreenderam o transmissor da rádio Alternativa FM e suspenderam a sua licença de funcionamento.

No momento em que transcorria a ação, um grupo estudantes da Escola Estadual Maestro Nelson Ferreira chegava ao local, para apresentarem o programa Conexão Jovens na Mídia, projeto ligado a colégios, existente há seis anos. “Questionei a apreensão do transmissor e um dos agentes disse que era um procedimento normal. Perguntei sobre algum documento que se referisse à apreensão e eles disseram que não precisava. Toda a ação durou cerca de uma hora e meia. Sofremos constrangimento por conta da policia na porta da rádio, mas os policiais foram bem educados. Um dos deles até chegou a ler toda ação da justiça antes de apreender o transmissor”, comentou o coordenador da rádio, David Moreno.

O coletivo da rádio realizou uma reunião de urgência com moradores da região e comunicadores parceiros, para discutirem os passos a serem dados. Segundo Davi, eles não foram avisados a respeito do julgamento que cassou a liminar de funcionamento da Alternativa. No documento entregue pelos agentes, consta que eles terão dias para recorrer judicialmente. A advogada da emissora, Renata Rolim, já foi acionada e recebeu cópia da documentação remetida pela Anatel.

O OmbudsPE acompanhará de perto o desenrolar do processo. Novas informações serão publicadas em breve.

O OmbudsPE é um projeto de comunicação do Centro de Cultura Luiz Freire. É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que a fonte seja citada e esta nota seja incluída.

Realização:

Apoio:

Busca